OS GRILOS DE LULA

by
Com a decisão de vetar apenas uma parte do artigo 7º da MP 458, Lula impõe mais uma derrota aos ambientalistas. Proibir que empresas se beneficiem da regularização fundiária num primeiro momento não impede a grilagem. Primeiro, porque grileiros não operam por pessoa jurídica. Pessoas jurídicas têm CNPJ e endereço e pagam impostos. A qualquer momento podem ser fiscalizadas e punidas.
Grileiros usam laranjas – ou “prepostos”, na novilíngua ruralista -, pessoas físicas que abocanham quinhões de terra em seu nome que, juntos, compõem o latifúndio. A nova lei da terra na Amazônia deixa esses laranjas livres para operar.
Depois, porque dificilmente uma empresa agropecuária ou madeireira limitaria sua atividade a 1.500 hectares. Na Amazônia, a escala é de milhares ou dezenas de milhares de hectares, medida da ineficiência com que se produz ali. Portanto, o limite estabelecido pelo artigo 7º era só um bode (ou boi) na sala.
Finalmente, após três anos, o “empresário” rural poderá “comprar” de quem bem entender – cunhados, agregados, funcionários, primos – as terras regularizadas, pagas em 20 anos com carência de três de até 1.500 hectares.
Os outros convites à vigarice fundiária e ambiental também permanecem: a dispensa de vistoria das terras até 400 hectares, o preço simbólico, as generosas condições de ajustamento de conduta e a necessidade de “aproveitamento racional” da área – leia-se desmatamento – para comprovar a posse. Na Amazônia de Lula, os grilos estão pulando mais felizes do que nunca.
(Claudio Angelo, para a Folha de São Paulo, em 25/6/9)

vergonha

Com a decisão de vetar apenas uma parte do artigo 7º da MP 458, Lula impõe mais uma derrota aos ambientalistas. Proibir que empresas se beneficiem da regularização fundiária num primeiro momento não impede a grilagem. Primeiro, porque grileiros não operam por pessoa jurídica. Pessoas jurídicas têm CNPJ e endereço e pagam impostos. A qualquer momento podem ser fiscalizadas e punidas.

Grileiros usam laranjas – ou “prepostos”, na novilíngua ruralista -, pessoas físicas que abocanham quinhões de terra em seu nome que, juntos, compõem o latifúndio. A nova lei da terra na Amazônia deixa esses laranjas livres para operar.

Depois, porque dificilmente uma empresa agropecuária ou madeireira limitaria sua atividade a 1.500 hectares. Na Amazônia, a escala é de milhares ou dezenas de milhares de hectares, medida da ineficiência com que se produz ali. Portanto, o limite estabelecido pelo artigo 7º era só um bode (ou boi) na sala.

Finalmente, após três anos, o “empresário” rural poderá “comprar” de quem bem entender – cunhados, agregados, funcionários, primos – as terras regularizadas, pagas em 20 anos com carência de três de até 1.500 hectares.

Os outros convites à vigarice fundiária e ambiental também permanecem: a dispensa de vistoria das terras até 400 hectares, o preço simbólico, as generosas condições de ajustamento de conduta e a necessidade de “aproveitamento racional” da área – leia-se desmatamento – para comprovar a posse. Na Amazônia de Lula, os grilos estão pulando mais felizes do que nunca.

(Claudio Angelo, para a Folha de São Paulo, em 25/6/9)

Anúncios

Tags: , ,

2 Respostas to “OS GRILOS DE LULA”

  1. verdedentro Says:

    A imagem diz tudo… é essa a vontade que dá.

  2. Jorge R. Mendes Says:

    TRiste fim do Sr. Lula. Deve ir para a lata de lixo da história.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: